Home » Notícias » Destaques, Notícias, Notícias CAU/RS » Prefeitura de Porto Alegre assina contrato do Centro de Eventos com compromisso de acabar com uso abusivo do pregão

Prefeitura de Porto Alegre assina contrato do Centro de Eventos com compromisso de acabar com uso abusivo do pregão

Nesta sexta-feira (13/07), às 9h30, será assinado, no Paço Municipal, o contrato que visa a elaboração dos projetos executivos para o Centro de Convenções e Eventos de Porto Alegre. O procedimento, que poderia passar despercebido, é de especial interesse para arquitetos e urbanistas e engenheiros, pois trata-se do resultado de um pregão para contratação de serviços de natureza intelectual.

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RS) requereu no Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS), com o apoio de diversas entidades da área da construção civil, a suspensão do certame. O órgão acatou o pedido, mas depois também aceitou o recurso enviado pelo município, que pode dar andamento ao processo.

O caso do Centro e Eventos não é o primeiro no qual a Administração Pública fez uso do pregão como um recurso – uma “maravilha curativa” – para a ineficácia da gestão. Cabe ressaltar que o convênio que previa o repasse de R$ 60 milhões do Governo Federal para a realização da obra na capital foi firmado há cinco anos, em 2013. Neste período, não foi feita a contratação dos projetos. A “corrida contra o tempo” foi a principal justificativa para o uso do pregão neste processo licitatório. Caso contrário, segundo a Prefeitura Municipal, a verba retornaria aos cofres do Ministério do Turismo.

HISTÓRICO

A iniciativa do CAU/RS não foi isolada. Participaram da ação o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RS), o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB RS), a Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura (AsBEA/RS), a Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS) e o Sindicato dos Engenheiros (SENGE-RS), com o apoio da Associação de Arquitetos de Interiores (AAI Brasil/RS) e Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas no Estado do Rio Grande do Sul (SAERGS).

As entidades reuniram-se com o Secretário Municipal de Parcerias Estratégicas, Bruno Vanuzzi, no dia 22 de maio, na sede da SERGS. Vanuzzi reconheceu as dificuldades da Prefeitura em encontrar um local e contratar os projetos e fez um apelo à compreensão das entidades sobre a situação que a Administração Pública enfrentava. O Secretário declarou ser contrário à utilização do pregão, mas que, neste caso, quando assumiu o tema para si, não haveria tempo suficiente para licitar e executar os procedimentos burocráticos que evitariam a perda dos recursos federais.

Na ocasião, as entidades afirmaram ceder caso houvesse um movimento concreto e uma manifestação pública da municipalidade no sentido de acabar com o uso abusivo dos pregões. O Secretário assumiu o compromisso de atuar neste sentido e, em consenso, as entidades acordaram não levar a diante o pedido de suspensão.

A fiscalização de editais que envolvem a contratação de serviços de Arquitetura e Urbanismo defende o exercício profissional de arquitetos e urbanistas, assim como a correta aplicação da Lei de Licitações, base para todas as contratações públicas. O CAU/RS já conseguiu a suspensão e/ou anulação de pelo menos sete pregões no estado desde o começo do ano.

O QUE NÓS DEFENDEMOS

A elaboração dos projetos executivos para o Centro de Convenções e Eventos de Porto Alegre só será possível porque o grupo de entidades que enfrentaram o tema (CAU/RS, CREA-RS, IAB RS, AsBEA/RS, SERGS e SENGE-RS) aceitaram o compromisso verbal do Secretário Municipal de Parcerias Estratégicas, Bruno Vanuzzi, de combater o uso do pregão de forma indiscriminada.

Aguardamos o convite da municipalidade para dar andamento ao processo em busca da construção de melhores alterativas e futuros resultados efetivos. O CAU/RS acredita no estabelecimento de uma nova relação entre entidades e Administração Pública e empenhará esforços para que o município se comprometa, de forma oficial, a modificar sua política.

Defendemos o critério da qualidade do Concurso Público como modalidade licitatória ideal e preferencial, mas a modalidade Melhor Técnica também é outro caminho admissível. O que não admitimos é o uso do pregão em licitações para a elaboração de projetos de Arquitetura e Urbanismo, atividade de natureza essencialmente intelectual. O pregão tem como critério apenas o menor preço e, legalmente, só pode ser utilizado para contratações de serviços de natureza comum.

Entendemos que o caso de Porto Alegre poderá servir como referência para os demais municípios gaúchos. Não só por ser a capital e a cidade de maior porte do estado, mas, principalmente, por servir de referência para os municípios do interior.

  • Pin It


3 Responses to Prefeitura de Porto Alegre assina contrato do Centro de Eventos com compromisso de acabar com uso abusivo do pregão

  1. marcelo nunes vasquez fernandez

    COMPROMISSO VERBAL ? CREIO QUE A MUNICIPALIDADE VAI ESQUECER O ASSUNTO.

  2. Agostinho E. Alfaro

    Se é um exercício ilegal, O MP deveria atuar em conjunto? Pois sua função é defender os direitos dos cidadãos.

  3. Caro Marcelo,
    Estamos cobrando o compromisso. Não somos ingênuos e conhecemos bem o histórico da PMPA. Entretanto o Secretário deu provas de ser correto e bem intencionado e as entidades agora vão cobrar o compromisso público e formal da Prefeitura, porque os secretários passam, mas o pregão não pode mais ser tolerado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos marcados com * são obrigatórios.

*